Brasil tem novo recorde de mortes por covid-19

 

País registrou mais 751 vítimas nas últimas 24 horas e se aproxima da marca de 10 mil. Número de casos sobe para 145.328.

Enterro em Manaus. Há um mês, país contabilizava 800 mortes.

Pela terceira vez na mesma semana, o Brasil bateu seu recorde de registro de mortes por covid-19 em 24 horas. Nesta sexta-feira (08/05), o país contabilizou mais 754 óbitos, elevando o total para 9.897, segundo dados do Ministério da Saúde.  É o quarto dia seguido em que o país registra mais de 600 mortes.

Nos últimos sete dias, foram registradas 3.136 mortes. É um número superior ao de mortes registradas no período de 17 de março (data do registro do primeiro óbito por covid-19 no Brasil) a 22 de abril, em que transcorreram 36 dias.

O número de casos confirmados da doença também saltou de 135.106 para 145.328, com 10.222 novos registros nas últimas 24 horas. Também é  o quarto dia seguido em que o país registra cerca de 10 mil novos casos por dia.

Ainda segundo o ministério, 59.297 pessoas já se recuperaram.

São Paulo segue como o estado mais afetado pela covid-19, com 3.416 mortes e 41.830 casos confirmados. O Rio de Janeiro vem em seguida, com 1.503 óbitos e 15.741 casos. O Ceará aparece em terceiro, com 966 óbitos e 14.956 casos.

O crescimento acentuado de mortes nos últimos dias levou o país a a ultrapassar nesta semana a Bélgica em número de mortes e passar a ocupar a sexta posição entre os países com mais óbitos por covid-19, atrás apenas dos EUA, Reino Unido, Itália, Espanha e França.

O total de casos registrados nos últimos dias também levou o país a ultrapassar a Turquia em número de testes com resultados positivos. Agora, o país ocupa oitava posição entre os países com mais casos identificados oficialmente.

O Ministério da Saúde do Brasil ressaltou que o número de mortes registradas nas últimas 24 não ocorreu necessariamente nesse período. São mortes por coronavírus que foram identificadas entre quinta e sexta-feira e que podem ter ocorrido em dias ou até semanas anteriores. Esse, no entanto, tem sido o padrão desde o início da pandemia no Brasil. E, mesmo assim, o país tem registrado uma crescente de mortes, com mais seis centenas nos últimos quatro dias.

Especialistas também alertam que o número de pessoas infectadas é bem maior do que o contabilizado nas estatísticas oficiais. Um estudo divulgado nesta semana por pesquisadores brasileiros aponta que, no dia 4 de maio, o país já contava provavelmente com 1,6 milhão de contaminados. O país vem sofrendo com subnotificação e tem dificuldades em fazer mais testes.

Até terça-feira, Brasil tinha realizado apenas 1.597 testes por milhão de habitantes. Os Estados Unidos, por exemplo, conduziram 22.591 testes por milhão de pessoas, segundo a empresa de dados Statista.

Há exatamente um mês, o país registrava oficialmente 800 mortes por covid-19 e 15.927 casos, segundo o Ministério da Saúde. A primeira morte no país foi registrada no dia 17 de março.

Fonte:   dw.com

Add Comentários