Chuvas leves já caem sobre o sudeste e no centro do MT. Saiba como será a evolução do clima nesta safra

 

As primeiras chuvas já estão sendo registradas no sudeste brasileiro e também no médio norte do MT (faixa da BR 163) neste final de semana. No sábado foram relatadas precipitações de baixo volume ao longo do trecho entre Sorriso e Sinop, na parte central do Mato Grosso. Também no Sudeste, uma frente vinda do Paraguai adentrou pelo Mato Grosso do Sul, criando um corredor de umidade que uniu-se à outra frente formada sobre o Atlantico. carregando chuvas leves também para a capital paulista.

Nas próximas horas a meteorologia prevê o aumento do volume de chuvas que poderão chegar até às regiões cafeeiras do Su de Minas. Os radares mostram chuvas fortes entre a segunda e terça-feira, formadas sobre a zona da mata mineira, com umidade alcançando até o sul de Minas.

O bloqueio atmosferico começa, desta forma, a ser rompido. E o prognostico é de chuvas “plantadeiras”, de bons volumes, ao final da próxima semana, com a volta da normalidade climática consolidando-se ao longo do mês de outubro

Mas os estudos do Agroclima, da Climatempo, prevêem uma safra com sequencia de periodos secos até janeiro, por força da influencia do La Niña (de fraca intensidade). Essa situaçõ tenderá a diminuir as precipitações para o Sul do País, notadamente ao sul do RS e norte da Argentina, mas, em compensação, garantindo boas umidades para o centro-oeste e matoiba.

O agrometeorologita da Climatempo, João Castro (Agroclima), mostrou ao Notícias Agrícolas os resultados dos estudos climáticos para esta safra verão 20/21, com conclusões que levam a entender que o comportamento do clima tenderá a se repetir ao ocorrido na safra passada (considerando-se, porém, a presença do La Niña).

Segundo o agrometeorologista, o recomendado aos agricultores é terem um pouco mais de precaução agora nesse início do plantio, para somente lançarem as sementes ao solo após confirmarem a presença de mais chuvas nos radares meteorológicos, que se dará na próxima semana.

— Correrá menos riscos o produtor que se antecipou nos cuidados com o solo, aprofundando o perfil e propiciando a cobertura vegetal que protegeu o subsolo e garantiu a umidade necessária às raizes das plantas daqui prá frente”, completou o especialista.

Fonte:    Notícias Agrícolas

Add Comentários