MT: Efeito CPI do Paletó: Vereadores da oposição registram B.O. por supostas ameaças

 

Os vereadores Abílio Júnior (Podemos), Clebinho Borges (PSD), Diego Guimarães (Cidadania), Dilemário Alencar (Podemos), Felipe Wellaton (Cidadania), Lilo Pinheiro (PDT), Marcelo Bussiki (DEM), Sargento Joelson (Solidariedade) e Wilson Kero Kero (Podemos) registraram um Boletim de Ocorrência na Polícia Civil, nesta quarta-feira (15), por supostas ameaças.

Todos compõem a bancada de oposição ao prefeito Emanuel Pinheiro (MDB) e oficializaram as queixas na Delegacia de Crimes Virtuais.

As supostas ameaças teriam acontecido nas “últimas semanas”.

Segundo os vereadores, as agressões se deram por telefonemas e mensagens com xingamentos e tentativas de supostamente coagi-los a não votarem contra demandas da Prefeitura da Capital.

O ato se repetiria sempre que – palavras de Abílio Júnior confirmadas por Marcelo Bussiki e Felipe Welatton -, em ocasiões variadas, alguma votação “importante está para acontecer” no Legislativo municipal, na conclusão da CPI (Comissão Parlamentar de Inquérito) do Paletó.

A votação do relatório final e conclusões – a depender do entendimento da maioria dos vereadores – pode custar o mandato ou ao menos um pedido de impeachment do prefeito.

Especialmente com a proximidade das eleições municipais.

Isso porque o nome popular da CPI refere-se ao episódio em que Emanuel Pinheiro, quando era deputado estadual, ter sido gravado em imagem e som derrubando maços que totalizavam R$ 50 mil.

O dinheiro seria de suposta propina paga pelo ex-governador Silval Barbosa (sem partido), posteriormente preso e condenado por corrupção, lavagem de dinheiro, improbidade administrativa, após firmar delação premiada e entregar todos os supostos comparsas da quadrilha denunciada pelo Ministério Público e confirmada por ele.

Boa parte do processo que investiga os desdobramentos das delações premiadas em torno de Silval está sob a responsabilidade do ministro Luiz Fux, do Supremo Tribunal Federal, local onde tramita, apesar de parado.

Quem gravou Emanuel e vários outros ex-deputados e alguns também prefeitos, como a de Juara (655 km ao Norte de Cuiabá), Luciane Bezerra, e vários outros. Eram oito deputados estaduais, ao todo.

À parte as tais ameaças, os nove vereadores garantem que irão colocar em votação, já na próxima sessão legislativa, nesta quinta-feira (16), o relatório paralelo da CPI, com o pedido de afastamento de Emanuel Pinheiro e a abertura de um processo de cassação definitiva.

Fonte: diariodecuiaba.com

Add Comentários