MT: Preparo Para a Páscoa: Deusdédit, Pároco da Matriz: Religioso alerta para o discurso de ódio e prega o amor ao próximo

Pároco da Igreja Matriz, padre Deusdédit lembra que quaresma é tempo de conversão, perdão e renovação da fé

A Quaresma é um tempo dedicado à conversão e purificação da alma

Para o cristianismo a Quaresma, período entre a quarta-feira de cinzas e a Páscoa, iniciada nesta semana, é tempo para reconhecimento dos pecados, conversão, reconciliação, renovação da fé, perdão e conscientização sobre o respeito ao próximo.

Considerada uma das datas mais importantes pela igreja Católica, uma preparação para a Páscoa, a ressurreição de Cristo, também é tempo de jejuar.

A prática do jejum, ato de excluir determinados alimentos do cardápio e passar a consumir somente o necessário, seria uma maneira de exercitar o controle da gula, do abuso do álcool, entre outros hábitos nocivos ao corpo e ao espírito.

“A Quaresma é um tempo dedicado à conversão e purificação da alma, mas sabemos que o exercício de purificar é permanente, deve ser permanente entre os cristãos”, ensina o vigário geral de Cuiabá.

Pároco da Igreja Matriz, o padre Deusdédit lamenta o momento vivido pelo Brasil, país dominado pelo discurso de ódio, pela polarização. Por comportamentos e práticas extremas que acentuam as diferenças e o desrespeito ao próximo.

“Na Carta de São João, no capítulo 4, versículo 20, está escrito que é mentiroso aquele que prega que ama a Deus, mas expressa ódio o irmão”, observa padre Deusdédit.

Converter-se e amar a Deus, como sugere uma das práticas da Quaresma, passa pelo amor e respeito ao próximo, reforça o religioso.

Na análise do pároco de Cuiabá, nas relações e no comportamento cristão não cabe preconceito, rótulos e desrespeito às diferenças. “Quando julgamos o outro estamos tomando o lugar de Deus”, alerta.

Também sabemos que aquele que mais julga é quem mais precisa da misericórdia”, completa.

SINAL COM CINZA – Desde a quarta-feira de cinzas, o primeiro dia da Quaresma, até o último dia da celebração, a igreja prega a igualdade.

O ritual do traçado de uma cruz na testa usando cinzas, por exemplo, simboliza e leva o fiel a “recordar que és pó e em pó te tens de converter”.

As cinzas usadas são provenientes da queima de ramos do Domingo de Ramos.

Fonte:     diariodecuiaba.com

Add Comentários