Servidor da Casa Civil furtava celulares funcionais e vendia para loja de VG

Um servidor da Casa Civil do Estado foi preso nesta terça-feira (13.08) acusado de furtar celulares funcionais da repartição pública, no Centro Político Administrativo (CPA).

Segundo a Polícia Judiciária Civil (PJC), o servidor A.S.G. de 33 anos, era encarregado de serviços gerais, o cargo era comissionado DGA-5, desde o ano de 2004, e confessou o crime.

Os aparelhos, segundo a PC, foram vendidos por A.S.G. para diferentes pessoas, tendo algumas delas, adquirindo de boa-fé.

A investigação identificou dois receptadores comuns, entre eles, o proprietário de uma loja de conserto, compra e venda de aparelhos celulares localizado no bairro Cristo Rei, em Várzea Grande.

Segundo o delegado que coordenou a operação, André Luís Prado Monteiro da Silva, onze pessoas foram alvos da ação deflagrada pela Derf Cuiabá. No total, dezessete pessoas foram conduzidas e nove aparelhos celulares foram recuperados.

Os aparelhos foram furtados, no mês de abril deste ano, ocasião em que foram subtraídos 18 telefones móveis que ficavam acondicionados dentro de um armário da repartição pública, todos novos e nas devidas caixas.

Ainda na condição de ter cometido o delito por ser servidor público, o suspeito será indiciado pela prática de peculato, podendo ser condenado de 02 a 12 anos de reclusão. (Com informações PJC/MT).

Outro lado: O Governo do Estado emitiu uma nota de esclarecimento sobre o caso, e afirmou que desligará o servidor acusado dos furtos:

Nota na íntegra:

No dia 18 de abril deste ano, foi detectado que 18 aparelhos de telefonia celular haviam desaparecido de um armário do setor administrativo da Casa Civil.
O fato foi denunciado na Delegacia Especializada de Crimes Fazendários e Contra a Administração Pública, no dia 23 de abril, com a confecção do Boletim de Ocorrência de nº 2019.122030.

Todas as informações foram repassadas à autoridade policial, inclusive os dados dos aparelhos telefônicos, como número de série, entre outras informações.

Com os dados fornecidos pelo Governo, o caso foi encaminhado para a Delegacia de Roubos e Furtos, que realizou todo o procedimento investigatório. Na manhã desta terça-feira (13.08), após depoimento de uma testemunha, a investigação se desdobrou e culminou com a condução de um servidor comissionado, que trabalha no setor responsável pela manutenção do prédio do Palácio, há mais de 16 anos, para esclarecimentos sobre o fato.

Ao prestar os esclarecimentos, o servidor confessou o furto de 11 celulares ao invés de 18. Diante da confissão, o Estado procederá com o desligamento do servidor.

De acordo com as informações da Delegacia de Roubos e Furtos, após ser ouvido, o servidor foi liberado, por não haver flagrante. No entanto, o delegado do caso informou que irá representar junto ao Poder Judiciário pela prisão preventiva do acusado.

Toda a investigação continua sob a responsabilidade da Polícia Judiciária Civil.

VG Noticias

Add Comentários