É revoltante Ver o Congresso Destinar R$ 5,7 bilhóes a Esse Famigerado “Fundão” Enquanto Em Cuiabá Há 18.385 Famílias Abaixo da Linha da Pobreza: : Barbudo nega acordo para aprovar ‘fundão’ e culpa ‘malandros’ da Câmara Federal

 

O deputado federal Nelson Barbudo (PSL) negou que tenha fechado um acordo com o Palácio Planalto para votar favorável ao Projeto de Lei de Diretrizes Orçamentária (LDO) de 2022, que incluiu a ampliação do fundo eleitoral para R$ 5,7 bilhões. Irritado, o parlamentar reiterou ser contra o “fundão” e garantiu que o texto foi modificado pelos “malandros” que integram a Câmara de Deputados.

“Na votação da LDO foi incluído um jabuti pelo senhor Juscelino Filho do DEM do nordeste. Ele não deveria ter colocado essa votação do aumento partidário junto com LDO, malandramente ele colocou. Isso nos obrigou a votar a LDO daquele jeito”, disse nesta terça-feira (20), ao Jornal do Meio Dia (TV Vila Real, canal10).

Barbudo culpou o vice-presidente da Câmara, Marcelo Ramos (PL-AM), que estava presidindo a sessão que condicionou a aprovação da LDO ao fundo eleitoral de quase R$ 6 bilhões. O montante poderá ser utilizado para bancar a campanha de políticos nas eleições do próximo ano.

Leia também – Barbudo justifica voto a favor em Fundão de R$ 5,7 bi e pede veto de Bolsonaro

Nesse contexto, o parlamentar reforçou que foi favorável ao pedido do Partido Novo, que solicitou a votação separada do Fundo Eleitoral. “O Partido Novo fez um destaque para que tirasse esta votação do meio da LDO, mais uma vez, o deputado Marcelo Ramos não retirou. Nós clamamos para que eles tirassem e colocassem na votação nominal. Só que ele atropelou o orçamento e não nos deu a chance de retirar para votar nominalmente”, complementou.

Da bancada federal de Mato Grosso, outros cinco parlamentares também votaram favoráveis ao projeto, sendo eles Dr. Leonardo (SD), Emanuelzinho (PTB), Juarez Costa (MDB), Neri Gueller (PP) e Valtenir Pereira (MDB). O deputado bolsonarista José Medeiros (Pode) não compareceu à sessão e foi declarado ausente. A única que votou contra foi a deputada federal Rosa Neide (PT).

Barbudo defendeu que o texto seja vetado pelo presidente Jair Bolsonaro. Contudo, o problema é que os próprios aliados são a favor do fundão.

“Eu votei a LDO, mas tem deputados que são favoráveis ao fundão e fazem manobras espúrias para recair sobre mim. Esse peso eu não levo. Eu falo por mim, não fiz acordo nenhum. O presidente Jair Bolsonaro tem que vetar. Ai esse texto vai voltar para Câmara e ai gente vai ver quem são os verdadeiros donos dos bois”, finalizou.

Fonte:     gazetadigital.com