Menu

Indiciado pela PF, líder do governo critica CPI e Lava Jato por politização

 

O líder do Governo no Senado, Fernando Bezerra (MDB-PE), criticou nesta 3ª feira (8.jun.2021) o andamento da CPI (Comissão Parlamentar de Inquérito) da Covid. Disse que o colegiado virou “palanque político” e comparou o trabalho ao da Lava Jato. O senador foi indiciado mais cedo pela Polícia Federal por corrupção

“Fiz um apelo a todos os membros desta Comissão para que os excessos fossem evitados, uma vez que a legitimidade do resultado a ser apresentado depende do equilíbrio que permite, sempre que possível, o exercício do consenso, afastando posições de beligerância e confrontação que transformam a CPI em palanque político ou palco para radicalizações ideológicas.”, disse.

Na comparação com a Operação Lava Jato, que investigou a corrupção no poder público, Bezerra disse que foi vítima da criminalização da política quando sofreu acusações “que não se sustentam” pela Justiça à época. A CPI, atualmente, também tentaria chegar a conclusões sem as devidas provas.

“Quantos de nós não fomos vítimas dessa criminalização da política, de um viés persecutório implacável, fundado em premissas frágeis e juridicamente questionáveis, oriundas de delações banalizadas, obtidas mediante coação imposta aos delatores, atropelando as garantias constitucionais dos investigados, com evidentes excessos de discricionalidade.”

Acusado de corrupção

O discurso durante fala na CPI, que ouvia pela 2ª vez o ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, foi horas depois de a Polícia Federal indiciar o senador e líder do Governo por corrupção.

Ele é acusado de receber R$ 10 milhões em propinas pagas por empreiteiras de 2012 a 2014, período em que atuou como ministro da Integração Nacional no governo Dilma Rousseff (PT).

O filho do senador, o deputado federal Fernando Bezerra Coelho Filho (DEM-PE) também foi indiciado. A PF pediu que o STF (Supremo Tribunal Federal) decrete o bloqueio de R$ 20 milhões dos congressistas.

O relatório com a conclusão das investigações foi levado à Corte em 31 de maio.

Segundo a investigação, Fernando Bezerra Coelho teria recebido R$ 10,4 milhões em propinas para atuar em favor das empreiteiras OAS, Barbosa Mello e Constremac de 2012 a 2014. As vantagens indevidas seriam contrapartidas por contratos firmados pelas empresas com o Ministério da Integração Nacional.

O recebimento de tais valores ocorreu por um intrincado esquema de movimentação financeira ilícita, como também ocultação de ativos obtidos por meio criminoso, com a crível finalidade de integrar patrimônio adquirido de forma escusa e dificultar a persecução de dados informativos que descortinem tais fatos“, disse a PF.

Em nota, os advogados André Callegari e Ariel Weber, que defendem Fernando Bezerra Coelho, afirmaram que o relatório final do inquérito é uma “opinião isolada” de seu subscritor.

“Essa investigação, nascida das palavras falsas de um criminoso confesso, é mais uma tentativa de criminalização da política, como tantas outras hoje escancaradas e devidamente arquivadas”, afirmam.

Fonte:       msn.com