MT: COBRANÇA POR DIÁLOGO: Após abordagem de servidores, secretário deixa reunião escoltado por policiais em VG

 

Um grupo de 50 servidores da educação impediu a saída do secretário estadual de Educação, Alan Porto, após uma reunião na Secretaria de Educação de Várzea Grande. O encontro foi para discutir o fechamento de escolas no município na tarde desta quinta-feira (16). Eles reclamam da falta de diálogo em relação ao fechamento de escolas na Cidade Industrial.

Rapidamente, a Guarda Municipal e Polícia Militar foram acionadas e deu segurança para as autoridades pudessem deixar a secretaria. Nas imagens é possível ver o momento em que Porto tenta deixar o prédio. Nesse instante, o grupo de servidores se dirige ao secretário e pede uma conversa, porém, o gestor se recusa e tenta entrar no carro. Os profissionais, contudo, impedem a sua entrada no veículo.

Em meio à gritaria, assessores de Alan Porto ainda buscaram dar uma proteção, mas resolveram recuar diante da pressão dos servidores. Sem conseguir deixar o local, Porto retorna para a Secretaria. Além dele, o secretário de Educação de Várzea Grande, Silvio Fidelis, também ficou dentro do prédio.

Os servidores reclamam da decisão da Secretaria Estadual de Educação, que pretende fechar unidades escolares que atendem do 1º ao 6º ano do ensino fundamental. Com isso, os alunos devem ser remanejados para outras escolas da região metropolitana. Entre elas, estão as escolas Licínio Monteiro, Mercedes Paula Soda e Ernandy Mauricio Baracat de Arruda (Nico Baracat).

A pasta justifica que o fechamento visa o redimensionar a rede pública de ensino, em parceria com a prefeitura de Várzea Grande. No entanto, os profissionais alegam que a decisão foi tomada de forma isolada.

“A Prefeitura de Várzea Grande não tem condições para atender todos alunos da escola. Vai sobrecarregar o sistema e o ensino não chegará com a qualidade que tem ser. O Alan alega que houve o diálogo, mas é mentira. Dessa reunião de hoje, por exemplo, nós ficamos sabendo que aconteceria em cima da hora” , disse uma professora que preferiu não se identificar.

Ao Jornal A Gazeta, o dirigente do Sindicato dos Trabalhadores no Ensino Público de Mato Grosso (Sintep), que integra a direção da subsede sindical em Várzea Grande, Gilmar Soares, disse que a política de redimensionamento dita pela Seduc é uma ‘mentira’. O sindicato afirma também que já ingressou com uma ação contra o secretário estadual de Educação, Alan Porto.

Outro lado
Por meio de um vídeo, Porto afirmou que os servidores foram chamados para reunião. O gestor também afirmou que o grupo queria ser atendido fora da sala da secretaria, o que segundo ele, não foi possivel por conta da chuva. Na gravação, Porto ainda diz ter passado por uma situação “chata”.

Fonte:      gazetadigital.com