MT: Parceria Ambiental: Lixo Zero: Reuniões regionais servirão para aprimorar Plano de Resíduos Sólidos de Mato Grosso

 

A equipe da UFMT que elabora o Plano Estadual de Resíduos Sólidos de Mato Grosso (PERS) irá realizar reuniões para apresentar e debater o Plano com as características dos municípios das cinco regiões intermediárias do Estado. Tais encontros terão início no dia 31 de maio, na região de Cuiabá, e prosseguem em junho abrangendo as outras quatro regiões: Sinop, Barra do Garças, Rondonópolis e Cáceres. A expectativa é de alcançar os 141 municípios mato-grossenses, apresentando os dados já coletados em todo o processo de quase um ano de execução do Plano – com parcerias da Uniselva-UFMT, Sema, Ministério do Meio Ambiente, Caixa e Setec.

As discussões em Cuiabá envolverão os 30 municípios que integram a região; em Sinop (dia 1º de junho), a abrangência é de 42 cidades; Barra do Garças discutirá a situação de 30 municípios (dia 2 de junho); Rondonópolis está agendado para dia 8 de junho, com participação de 18 municípios. Por fim, Cáceres dará prosseguimento ao ciclo, com a participação de 21 unidades municipais (dia 9 de junho).

O PERS vem sendo construído desde agosto de 2020 com a entrega do Projeto de Mobilização Social e Divulgação pela UFMT à Sema. O Plano deve abranger todo o território do Estado, com horizonte de atuação de 20 anos e revisão a cada 4 anos, de forma a atender ao estabelecido na Política Nacional de Resíduos Sólidos, Lei Federal nº 12.305/2010. Além de questões sobre Aspectos Sociais – Perfil de Associações e Cooperativas de Catadores -, as discussões foram estendidas aos seguintes eixos: Resíduos Sólidos Urbanos, Resíduos Sólidos na Indústria, Resíduos Sólidos na Saúde, Resíduos Sólidos da Mineração, Resíduos Sólidos de Logística, Resíduos Sólidos no Transporte, Resíduos Sólidos na Construção, Resíduos Sólidos no Saneamento, Resíduos Agrossilvipastoris – geral e particularizado em Pecuária, Indústria, Agroindústria Associada ao Estado e Resíduos Sólidos do Setor Madeireiro.

A coordenadora técnica do projeto, professora Eliana Rondon, da UFMT, definiu o Plano como “um processo que visa impulsionar a gradual mudança de atitudes, hábitos e consumo na sociedade”. “Ele deve apontar caminhos, orientar investimentos, subsidiar e definir diretrizes para os planos de regiões metropolitanas, aglomerações urbanas e microrregionais”, pontuou, quando da entrega do projeto à Sema.

Além disso, será uma ferramenta para o acesso a incentivos ou financiamentos de entidades federais de crédito ou fomento, sinalizou o professor Paulo Modesto Filho, coordenador-geral do PERS/UFMT. Na sua concepção, foram realizadas reuniões que debateram a situação dos catadores de recicláveis, economia circular e solidária e logística reversa. “O modelo de planejamento é participativo, estimula os segmentos sociais a contribuírem com discussões, proposições, divulgação e validações”, explicou. Em razão da pandemia da covid-19, as reuniões se deram a distância, por meio de 13 Webinars – encontros setoriais com uso da Tecnologia da Informação.

A participação da UFMT no processo foi considerada um avanço para Mato Grosso por Mauren Lazzaretti, secretária de Estado de Meio Ambiente. “Nos dedicamos arduamente a destravar o processo de contratação deste Plano, que é importante para organizar e dar as diretrizes gerais de gestão para os municípios e para o próprio Estado no que tange ao manejo adequado dos resíduos”, disse na ocasião do início do projeto. As reuniões serão virtuais e para acessá-las foi disponibilizado o link que permitirá acesso integral em  https//persmt.setec.ufmt.br/reunioesregionais…

Fonte:    gazetadigital.com